Tech Meetup do Itaú Unibanco

No dia internacional da mulher, 08 de março, as FatechGirls Isabela Leal e Marina Rodrigues participaram de um encontro bem bacana sobre “Mulheres em T.I.”. Foi um evento que homenageou a Ada Lovelace, a primeira programadora da história.

Imagem relacionada

Ada Lovelace, matemática e também escritora inglesa, traduziu um documento publicado numa revista francesa e adicionou algumas notas que duplicaram seu tamanho. Nessas notas foram encontradas ideias modernas sobre a programação e também sobre os cartões perfurados (usado em meados do século XX). Além da Ada, outras cientistas famosas também foram citadas, como Grace Hopper que foi uma das criadoras da linguagem COBOL. Essas mulheres inspiradoras nos mostram que a mulher pode sim fazer parte da computação.

Impressões sobre o Meetup:

“Precisamos discutir sobre a participação da mulher, pois ainda que tenhamos conquistado igualdade em algumas coisas, há muito pelo que lutar. Gostei muito o Tech Meetup, tive contato com outras meninas que pensam da mesma forma. É bom saber que não estamos lutando sozinhas. O evento serviu também como um aprendizado para pessoas que não conheciam as histórias dessas mulheres incríveis e que não se identificavam como feministas “.

Logo após a palestra sobre mulheres em T.I., foi dada uma palestra sobre PWA  (Progressive Web App), ministrada por uma ex aluna de mestrado na FATEC SP.

O Cubo Itaú, fundado pelo Itaú Unibanco, em parceria com a Redpoint eventures, está com uma programação bacana para o mês das mulheres, dá uma olhadinha aqui!

WhatsApp Image 2018-03-19 at 16.53.35

Anúncios

Oficina de Design Thinking com a IBM

thinkTogetherTI

Em parceria inédita com as FaTech Girls, a IBM oferece especialmente à FATEC São Paulo uma oficina “Design Thinking”, abordando o tema “Oportunidades e Desafios para Mulheres na Carreira de TI”.

A oficina será realizada nas instalações da IBM Tutóia, quinta-feira dia 22/03, das 9h às 12h. Para participar, você deve estar devidamente matriculado na FATEC São Paulo e enviar e-mail com sua identificação (nome, RA, curso, período, turno) para fatechgirls@gmail.com. Assim você receberá as instruções de inscrição.

As vagas para essa atividade são limitadas, portanto, o público feminino terá prioridade. Mas, caso haja vagas remanescentes, os alunos que se inscreverem também poderão participar.

Não deixem de participar!

E no Dia Internacional da Mulher…

juntas-somosOiiiiiii meninas (e meninoooos), boa taaaaarde! Tudo bom com vocês???

Hoje é o nosso dia! Dia de festa, comemoração, flores, bolo, refrigerante e brigadeiro kkk. E para alegrar mais esse dia, vamos relembrar nossas realizações, nossas aventuras???

Vamos começar com a mais recente delas:

Na terça-feira, dia 27 de fevereiro, realizamos mais uma palestra na FATEC-SP. Essa foi aberta ao nossos colegas alunos, calouros e etc. O objetivo principal foi apresentar o grupo FaTech Girls para os demais, além de ‘recrutar’ mais mão-de-obra para fazer parte do nosso time. Foi bem interessante, falamos sobre nossos objetivos, desafios, atividades realizadas, além das nossas experiências pessoais durante o período de existência desse (lindo) grupo. Lembramos também que não somos um grupo somente de meninas e para meninas, pelo contrário, incentivamos a participação dos meninos, o que, inclusive, aconteceu nessa palestra, alguns se colocaram à disposição para nos ajudar no que precisar. Muito legal isso, né? ^^
Enfim, deixamos claro nossa imensa vontade de aumentar e dar mais visibilidade à nossa iniciativa, que para alguns pode parecer boba, mas a gente sabe que não é!

A mais importante das realizações: nascimento do grupo FaTech Girls

Surgiu com uma ideia vista em um congresso e ganhou força muito rapidamente graças à Grace e à Marina. Desde a nossa primeira reunião vimos como essa inciativa poderia nos enriquecer tanto profissional como pessoalmente. Discutimos diversas vezes o papel das mulheres na sociedade e no mercado de trabalho, mas frisando sempre a participação delas no mundo de TI. Tendo isso como base, decidimos achar uma forma que motivasse as meninas a fazerem parte dessa área desde cedo. Partimos então para a prática: decidimos nosso público alvo, as atividades e projetos que poderiam nos ajudar. Assim surgiram as oficinas, palestras, jogos, eventos, como uma forma divertida e prática de atrair meninas (que de inicio são alunas de ensino médio de escola pública em SP). Fizemos então a Virada Educação, nosso primeiro evento importante como FaTech Girls, com oficina desplugada e de JavaScript. Foi nosso ponto de partida: vimos nossos erros e acertos, os resultados, percebemos que realmente podíamos fazer a diferença, que a nossa iniciativa pode mudar a vida das pessoas.

Outra megaimportante façanha: praticando o grupo Fatech Girls

“Meninas, não tenham medo de ensinar! Ninguém nunca sabe tudo! Se você não souber a resposta de alguma pergunta, pode falar que não sabe, mas que tem maior vontade de procura-lá!”. Sempre foi assim que a Grace (mãezona do nosso grupo S2) nos incentivou a perder o medo e ir dar a cara a tapa, doa o que doer. Perder a timidez, falar em público, incentivar as outras pessoas, ter autoconfiança, ser gentil, foram alguns aspectos de crescimento pessoal que esse grupo nos proporcionou. Se antes eramos bichinhos do mato perdidos com boa intenção e força de vontade, mas com medo de tudo e todos, agora ainda somos os mesmos bichinhos, mas com menos medo, mais confiança, menos receio, mais otimismo, menos egoístas, mais solidárias, enfim, crescemos e mudamos de forma gratificante. E não foi somente o lado pessoal que desenvolvemos não, o profissional também avançou de forma significativa. Aprendemos a nos comunicar melhor, confiar no potencial de cada uma de nós, aguçar nossas técnicas, e além de tudo, saber que sempre precisamos aprender algo novo! Graças à esse grupo e sua iniciativa, recebemos diversos elogios, oportunidades de estágio foram conseguidas (ebaa) e reconhecimento diante dos nosso colegas e profissionais. O fato mais importante que aprendemos durante esse período todo diz respeito ao nosso lugar como profissionais, estudantes e aprendizes: não existe diferença, nosso cérebro é igualzinho do meninos!

Garotas também podem! Feliz dia da mulher!

FaTech Girls na Virada Educação

Desde o começo, decidimos que o FaTech Girls focaria suas atividades em escolas públicas, para disseminar o conhecimento também entre aqueles que, às vezes, não têm muito acesso à tecnologia. Por isso, quando surgiu a oportunidade de participarmos do evento Virada Educação, não pensamos duas vezes.

Depois de uma série de conversas, resolvemos realizar duas atividades no evento: uma oficina de Computação Desplugada, e uma oficina de JavaScript para Iniciantes. Este último tema parece familiar, não? Pois é, foi justamente para “treinar” para a Virada Educação que realizamos a oficina no Congresso de Tecnologia.

Agora, estamos na contagem regressiva para o evento: nossa participação será neste sábado, 21/10, na Escola Estadual Caetano de Campos, a partir das 13h. Venha nos visitar e provar que mulheres podem, sim, mandar muito bem em TI!

Escola Estadual Caetano de Campos – R. João Guimarães Rosa, 111

Games Day – Mulheres na indústria de jogos digitais

Nesse último sábado (07/10), as Fatech Girls Isabela Leal e Sandy Leila, foram na Fatec Games Day (Fatec São Caetano) e participaram de uma mesa redonda sobre a participação das mulheres na indústria de jogos digitais. Participaram do debate:

– Ariane Parra : Fundadora da Women Up.
– Caroline Ferreira : Estudante e profissional na área de jogos digitais.
– Luiza Sales : Estudante e profissional da área de jogos digitais aplicados a educação.
– Pá Falcão : Profissional da área de jogos digitais.

No debate foram abordados temas como a sexualização das mulheres em jogos, e como isso é um reflexo da falta de mulheres em desenvolvimentos de jogos. A fundadora da startup Woman Up, Ariana Parra, contou que divulga vagas em projetos de jogos digitais para mulheres e recebe um ótimo feedback das empresas, que não sabem o porquê não conseguem atrair mulheres para suas vagas.

O debate nos motivou ainda mais, pois é muito importante quando conseguimos encontrar pessoas que também se esforçam para trazer mais meninas para Computação (e dá super certo!!). Foi inspirador estar com essas mulheres determinadas e que realmente querem fazer a diferença no mundo tecnológico.

 

Uma aventura em Javascript

Quando criamos o grupo FaTech Girls, não sabíamos muito bem o que iríamos fazer, ou como. Ao longo das primeiras reuniões, tentamos dar forma ao grupo, que tipo de ações desenvolveríamos, como cada uma poderia contribuir com o projeto. Eu, talvez até de forma meio desavisada, pensei: “por que não uma oficina de Javascript?”.

Surgiu assim minha função nestes primórdios do FaTech Girls: desenvolver e ministrar uma oficina, mini curso – qualquer que fosse o nome da atividade – de Javascript, junto com a Pâmela Cruz. A ideia tinha seus motivos: o Javascript está presente em mais de 90% dos sites atuais, e não precisa de um compilador para funcionar. Como nossa ideia era atuar principalmente em escolas públicas, que muitas vezes poderiam não ter a estrutura necessária, pareceu uma boa pedida.

O único problema foi: não sou uma expert em Javascript. Tive apenas um contato breve na faculdade, e vi um ou outro tópico em cursos online. Por isso, quando a professora Grace me pediu para apresentar uma primeira versão da oficina no Congresso de Tecnologia da FATEC, para outros colegas tecnólogos, me deu logo uma nevasca na barriga. Tudo o que eu conseguia pensar era que não sabia o bastante, e que provavelmente faria papel de boba. E, com isso, quase deixei passar uma oportunidade que pode ser incrível para mim.

Sim, posso não saber o bastante, mas a ideia é justamente apresentar a linguagem para aqueles que não possuem nenhum conhecimento com a mesma, então cada conhecimento adquirido já é válido. Não sou uma expert, mas sou uma pessoa disposta a aprender cada vez mais, e repassar este conhecimento aos demais. E não é isso que importa?

Então, sim, ainda estou nervosa. Sim, ainda quero sair correndo e gritando, agitando os braços acima da cabeça. Mas aceitei essa empreitada como ela realmente é: uma oportunidade única de aprendizado, tanto para os que forem assistir a oficina, quanto para mim. Portanto, caso você seja uma fatecana ou um fatecano, te espero amanhã, às 19h, no edifício Santiago, para se jogar comigo nessa aventura. Vamos lá?!